08222019Qui
Última atualizaçãoSeg, 10 Dez 2018

slot

Eventos

Empresas Parceiras

icon Facebook-logo-v2-tmpgicon Google Plus logoicon Twitter logoicon youtube-logo-transparent

Previsão do tempo

Porto Alegre, RS

Umidade:
Vento: em


/


/


/


/
KWeather is powered by Kaleidoscoop

Our partners

Our partners

  • ja-news-1
  • ja-news-2
  • ja-news-3

“Meu Reino não é deste Mundo” (Jesus)


“Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meureino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18:36).

Todo Reino tem uma Cultura

Jesus acabara de ser preso pelos romanos, a mando e à revelia dos judeus. Pilatos, na audiência, questionou a Cristo sobre o seu reinado. Logo, Jesus respondeu: “Meu reino não é deste mundo”.
Todo reino tem uma cultura, uma linguagem e suas leis. Obviamente, a linguagem que Jesus difundia em suas falas não era a cultura de uma sociedade da terra, daí a perseguição dos homens.

Como vimos nos evangelhos do reino, a cultura de Cristo é dinâmica, porém objetiva, prática e fácil de se ouvir. Para facilitar mais ainda, Ele aculturava o povo através de parábolas (simplificação da linguagem do reino).
Para entendermos melhor uma cultura é necessário estudá-la ou experimentá-la pessoalmente, não é mesmo? Toda cultura tem uma origem, um significado, um estilo de vida, um propósito e uma forma de implantar, proteger, defender, e consolidar e até perpetuar a sua existência. Os discípulos de Jesus queriam absorver tudo desta cultura do mestre.

O que é Cultura?

A palavra “cultura” vem do latim ‘colere’, significa cultivar, e inclui princípios, valores, comportamentos, crenças, costumes e leis. Numa cultura iremos encontrar atos de sua criação, difusão e até novas descobertas dentro do próprio pensamento cultural que emergem como ‘conhecimento’.
Reino de Deus tem uma cultura. A cultura da vida em abundância, a cultura da vida eterna através de Jesus, a cultura da eternidade do céu.

“Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mat 6:10).

Identidade Espiritual

No início Deus havia dado à Adão uma identidade espiritual semelhante a de Deus. A identidade do reino Dele. Adão havia recebido também um propósito deste reinado na terra, o domínio sobre os demais seres vivos (animais,vegetais), aqui na terra no lugar de Deus.
Mas, com o advento do pecado no Éden, Satanás passou a interferir neste planejamento, erguendo um cetro (acusador) de autoridade espiritual que deveria reinar originariamente através do espírito (puro) do homem que falhou. Assim, o homem passou a ser subjugado pelo mal no corpo, na alma e no espírito, afastando-o do reino de Deus.

“Boas Novas” é revelação da Cultura de Cristo

A notícia boa é que os planos de Deus são desde sempre infalíveis e absolutamente indestrutíveis!! Então, como o homem estava se arrastando em delitos e pecados, em meio à escuridão, implantada pelo reino das trevas, Jesus veio e reanimou para sempre todas as esperanças de vida para a humanidade, através de seu sacrifício único de salvação. Os que crerem nisto terão livre acesso ao Rei dos reis e Senhor dos senhores em um novo reino, aquele que não é deste mundo, nem reino das trevas, mas o Reino dos Céus!

“E VOS vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados, em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência. Entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também. Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,  estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus”. (Efésios 2:1-7).

O Propósito do Reino de Cristo

A cultura de Cristo imprime uma linguagem nova, uma linguagem de redenção de pecados, uma nova identidade, a linguagem de um novo reino, uma nova terra, um novo céu! Este plano foi consumado na Cruz! O bastão de autoridade que estava em poder de  Satanás foi devolvido, através da autoridade de Cristo, ao Reino do Pai e do Filho e outorgada ao homem para governar espiritualmente sobre o pecado na terra! (Mt. 13:34).
Jesus se humilhou, desceu e chegou com um propósito e o cumpriu integralmente e sem falhas em sua missão (isto é compreendido apenas pela fé). Ele pagou a nossa dívida lá do princípio e riscou o nosso nome do SPC do inferno lá na Cruz!! Somente por isso, por Jesus, pela graça, pela fé e pelo novo nascimento, somos “LIVRES DE VERDADE”!!
Mas, o novo nascimento, não é apenas um teoria, é uma atitude de fé. Conhecer a Deus e crer Nele só de ouvir falar não dá direito ao reino Dele. É preciso converter os maus caminhos e andar com ele de verdade, como andava Adão lá no começo, diariamente em adoração plena, intensa e mais profunda.

“Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça.” (Rm.6;14)

Neste sentido, no caminho da graça, podemos proclamar a cultura do reino como Jesus proclamou para cumprir o propósito do nosso Rei. Afinal, vida sem propósito não faz sentido algum!!!
nossa missão, tendo ou não chamado específico, é ÚNICA: proclamar o reino de Deus na terra. Esta é a proposta de liberdade para um mundo perdido e escravizado pelo reino das trevas!

“O qual nos tirou do reino das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor”
(Colossenses 1:13).

A Linguagem do Reino

A linguagem do reino diz audível e inteligentemente, sem complicações que “JESUS É O SALVADOR E SENHOR DO REINO DOS CÉUS!!”
A todos nós, herdeiros, príncipes e princesas do Reino de Cristo, foi dada uma missão: promover e proclamar pela fé, em verdade, com perseverança, e através de uma linguagem de paz, vida, amor e perdão, a cultura do reino de Cristo.

Somos comissionados desde quando Jesus ascendeu ao céu. Ele disse: Eu envio vocês! IDE e falem a mesma linguagem que eu ensinei a vocês! Vocês também farão coisas maiores que as minhas.

“Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.” (João 14:12)

Independentemente de suas raízes doutrinárias, comportamento religioso ou estratégia de evangelismo na terra, o que importa mesmo é a proclamação do evangelho de Jesus na forma como Ele nos ensinou: de acordo com a vontade do Pai.

“Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou”. (João 5;30)

Como Cumprir a missão do reino de Cristo e de Deus?

Nesta cultura, não há o que se questionar! Jesus não estava ligado a ‘sistemas’ para cumprir a sua missão. Todos os cristãos somos missionários em potencial. Sem isso o evangelho do reino não faz sentido!  Não faz sentido aprender esta cultura e manter-se calado, omisso, secreto, temeroso, envergonhado para cumprir a sua missão.

“Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego”. (Romanos 1:16)

Todos os cristãos têm a mesma missão para fazer a vontade do Rei. Sabemos o que fazer, e não há motivos para perdermos tempo com “falatórios inúteis e profanos que só engendram contendas” (II Tim. 2:16)A contenda é uma prisão, (Prov. 18:19) e dificulta a difusão daquilo que é realmente importante! Tristeza é ver (e até escrever sobre isto) um reino de obesos espirituais, aqueles que só querem receber comida, abrindo o bico que nem passarinhos, gritando e exigindo boa alimentação, como se fossem ‘degustadores críticos’ de restaurantes, voltando para casa com o ego e a “barriga cheia”, prontos para dormir e engordar. Acontece que é daí que se originam também as doenças da alma. Geralmente é desta cultura que vêm as contendas, divisões e enfraquecimento do reino.

Raras vezes vemos os trabalhadores do reino em discórdias nas igrejas. Aqueles que mais dividem o reino são os que não trabalham para o reino, que não multiplicam o reino, e que criticam doentia e pervertidamente o reino, represando e confundindo a linguagem e a cultura de Cristo. O propósito desta cultura é outro, não há espaço para o reino de Deus nesta sociedade e, em contrapartida, não há espaço para esta sociedade no reino de Deus.

“Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus.” (Efésios 5:5).

“O evangelho NÃO precisa de críticos, precisa de CRISTO”

Evangelho é luz para os povos! É uma boa notícia. É um proposta otimista, mas não pessimista!! Então, a questão nunca foi “o que cumprir?” ou “quando cumprir”, mas “como cumprir” e “quanto cumprir” desta missão de inclusão do próximo no reino de Cristo??

Respondo: aculturando a nós mesmos e aos outros (família, parentes, vizinhos, amigos, comunidade, bairro, distrito, cidades, povos e nações) com a visão e a linguagem do reino de Cristo; influenciando o mundo com o evangelho da paz; “salgando” a vida sem sabor nesta terra e iluminando” o reino das trevas com a luz do evangelho do reino.

Temos a nossa congregação ou denominação, fazemos cultos de adoração, oramos em línguas, cantamos bonito, ensinamos, aprendemos, etc. Mas estas coisas em si mesmas não são um fim, e, sim um MEIO de fortalecimento do Reino de Deus e de Cristo para que haja o verdadeiro cumprimento do propósito do reino: A EXPANSÃO E MULTIPLICAÇÃO da cultura do Rei.

Reinados ou Reino?

É triste às vezes no Brasil a gente encontrar igrejas que mais parecem clubes fechados. Não precisamos de clubes fechados. É como se visitantes não  fossem bem vindos nesse ‘reinado’! Não se relacionam com nada ao redor, nem com vizinhos, nem com a sua própria comunidade, nem com irmãos das igrejas do bairro. Uma turva visão de reino de Cristo, visto que a cultura de Cristo é uma cultura expansiva, inclusiva e de relacionamentos sólidos, concretos e duráveis.

“Pastoreai espontaneamente, sem ganância, nem como dominadores do rebanho dado a vocês, mas tornem-se modelos”. (I Pe 5).

Jesus não pregou visão de reinados, nem de clubes e, sim VISÃO de REINO, cultura expansiva da glória de Deus!! O líder deve ser o modelo desta cultura! Engana-se quem ‘acha’ que tem um rebanho exclusivo sobre seu domínio e manipulação. Nós pastores cuidamos de ovelhas, mas NÃO somos os DONOS delas. Todo rebanho é de Jesus!

Um dia O PASTOR vai arrebatar estas ovelhas, ninguém poderá “proibir” este evento. Reino de Cristo é liberdade! As portas do evangelho precisam estar abertas para que os pecadores possam ser convidados a entrar e adorar ao Rei juntamente conosco. Estas mesmas portas também precisam estar abertas para que o evangelho saia para fora. Como deu Jesus ordem à Lázaro: VEM PARA FORA!!

Uma vez disse Billy Graham:

“A Bíblia não ensina que os pecadores procurem a igreja, mas ordena que a igreja saia em busca dos pecadores”.

o nosso reino não é deste mundo.

“Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor”. (I Cor. 15:58).

O nosso reino não é deste mundo.
“Se a nossa esperança se limita apenas em coisas dessa terra, somos os mais miseráveis de todos os homens!”
(I Cor 15:19).

Até uma próxima gente!
BEM VINDO AO ANO DA CULTURA DO REINO! O ANO ACEITÁVEL DO SENHOR!!!

“Vocês são a luz do mundo. Portanto, que brilhe a luz de vocês diante dos homens para que eles, ao virem isso, GLORIFIQUEM A DEUS que está nos céus. (Mt. 5:13-16).

Claudio Santos

Fique por dentro!

Músicas

Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses