11192017Dom
Última atualizaçãoSab, 11 Nov 2017

slot

Notícias

Empresário vende sua casa para ajudar refugiados: "O convite de Deus é servir"

O empresário cristão Luís Cláudio Corsini, vendeu sua própria casa em Belo Horizonte para ajudar quem precisava. Ele entendeu que deveria assumir uma iniciativa solidária e comprou um hotel fazenda para abrigar refugiados. Hoje em dia, o local abriga diversos haitianos. Em entrevista para Vanderlei Miranda, no programa Noite e CIA, ele comenta como percebeu que deveria tomar essa atitude.

“Eu acho que todo ser humano tem uma busca. Esse entendimento simplifica a nossa existência, por entender o plano do Criador, Deus e o projeto de reino Dele. Às vezes a gente está dentro do sistema e somos absorvidos por tantas coisas que passamos a não perceber como a Palavra pode nos transformar, ter um entendimento maior, criar uma consciência dentro do caráter de Cristo para que a gente possa realmente servir, o que é algo tão simples”, disse Luís.

“O convite de Deus é para que a gente sirva e possa amar as pessoas, praticar o amor Dele”, ressaltou. O empresário encontrou um espaço onde ele pôde receber, abrigar e cuidar de pessoas vindas de outros países. Pessoas que ele nunca viu na vida e que de repente foram beneficiadas com essa visão de trabalho. “Há cinco anos atrás eu tive uma experiência que fez uma nova formatação de como eu estava enxergando o mundo e foi tudo pautado no resultado de uma experiência que falava para não negar a Cristo”, explicou.

Quatro dias

“Eu não era uma pessoa que frequentava nenhum tipo de ambiente religiosos e a partir dessa experiência eu comecei a estudar. Eu tive quatro dias de um momento muito pessoal com Deus, onde eu comecei a ter algumas revelações em sonhos. Havia um questionamento pessoal de como eu estava vivendo dentro do sistema. Voltado só para a minha família, filhos, o padrão da gente buscar cuidar da própria vida e isso não me satisfazia. Eu fui desde esse processo que eu tive há cinco anos, de uma experiência real com Deus”, salientou.

“Minha formação é de engenheiro civil e depois que eu sai do ambiente da engenharia, realizei o sonho de ter uma produtora, um estúdio de gravação, e abrindo o estúdio tive clientes que são muito queridos por mim. Eu me desfiz desse projeto. Morei com meus pais e com o falecimento da minha mãe, essa casa ficou pra mim. Eu construí o estúdio e ampliei as instalações, mas eu realmente tive um chamado”, comentou.

“O convite existe a todo momento para todos nós. Só que a gente, o sistema absorvendo, você não percebe essa comunicação do Pai. Eu brinco que a metade das pessoas que me conheciam dizem que eu fiquei louco e a outra metade tem certeza”, pontuou. “Parece loucura, mas é isso mesmo, vendi minha casa e comprei esse hotel desativado para desenvolver um projeto que vai ajudar os imigrantes e refugiados”, comentou em uma entrevista para o site Tempo.

Fonte: Guia-me


"Estamos vendo profecias da Bíblia se cumprirem", diz arqueóloga de Israel

Quando as pessoas visitam a Cidade Velha de Jerusalém, elas podem acreditar que é o mesmo lugar que o rei Davi estabeleceu como sua capital há mais de 3.000 anos. Mas esse não é exatamente o caso. Arqueólogos estão descobrindo o local que seria originalmente a "Cidade de Davi" e contando aos outros sua incrível história.

Anarina Heymann é arqueóloga atua como coordenadora de divulgação da "Cidade de Davi".

"Bem-vindos à Cidade de Davi", disse Heymann à equipe da CBN News. "É o lar da antiga Jerusalém bíblica e até 150 anos atrás, todos pensaram que a antiga Jerusalém bíblica estava dentro dos limites da Cidade Velha, logo atrás de vocês, dentro destes muros. Então a questão é: "O que aconteceu 150 Anos atrás e onde está a antiga Jerusalém bíblica?".

Ela então ajudou a responder a essa pergunta, explicando como a cidade de Davi ficou escondida por quase 2.000 anos até que um arqueólogo britânico começou a escavar e suas descobertas continuam até hoje.

"Estamos em um lugar mágico agora", continuou Heymann. "Este é o lugar ao qual Charles Warren chegou através dos resquícios que ele encontrou. Ele viu alguma coisa. E quando Charles Warren viu isso, ele percebeu que estava redescobrindo a antiga Jerusalém bíblica".

Questionada se o trabalho de Warren teria sido o início da inauguração da Cidade de Davi nos tempos modernos, ela respondeu: "Exatamente porque estamos falando de um período de 2.000 anos, no qual ninguém sabia onde era a cidade antiga. A maioria dos visitantes pensavam que o que eles viam na Cidade Velha, era a antiga Jerusalém bíblica. Mas só quando Warren fez suas descobertas, comprovou que a antiga Jerusalém está fora do que hoje chamamos de Cidade Velha".

A descoberta do sistema de túnel conhecido como "Eixo de Warren" conta visualmente como o rei David capturou a cidade e ilustra relatos bíblicos.

"Quando vimos isso, de repente percebemos exatamente como a imagem se montava", continuou Heymann. "E muitas vezes, quando fazemos escavações, também não sabemos o que estamos procurando e então temos de ir à Bíblia e é ela mesma quem começa a nos explicar. Então, a Bíblia vem primeiro e depois as escavações. Quando juntamos os dois fatores, isso nos dá a imagem completa sobre a antiga Jerusalém".


Anunciando Reis de Israel

Se aprofundando em suas pesquisas, os arqueólogos descobriram mais detalhes sobre como os homens se tornavam reis em Israel.

"A maioria dos reis de Israel foram ungidos exatamente onde estamos de pé agora. Estamos de pé no lugar da unção. E Isaías diz que você irá tirar água com alegria das origens da salvação", disse ela.

Na verdade, a Cidade de Davi ecoa com toda a mensagem e o povo da Bíblia.

"Abraão, quando conheceu Melquisedeque e depois chegamos a Davi, a Salomão, chegamos a Isaías quando ele estava dando suas profecias esses muros aqui", disse ela. "Jeremias, quando posteriormente teve que falar sobre a destruição que se aproximava de Jerusalém ... todas essas coisas aconteceram exatamente onde estamos de pé agora".

Há mais de 10 anos, os arqueólogos descobriram outro local de importância bíblica, o Tanque de Siloé, que foi alimentado pela Fonte de Giom. O tanque foi o lugar onde Jesus curou o cego e também onde o povo judeu se reuniu para as Festas do Senhor.

"Três vezes por ano, todos os homens tiveram que vir ao mikvah (banho ritual) neste tanque e de lá se preparavam para ir ao Monte do Templo. Esta é a caminhada, a ascensão final, que todos os peregrinos podem fazer novamente quando visitam Jerusalém", explicou.

Heymann vê essa ascensão final como uma fusão entre a arqueologia e a as próprias profecias bíblicas.

"Algo incrível está acontecendo, porque você vê que agora estamos escavando esta estrada e a profecia novamente está sendo cumprida. Em Isaías diz 'Passai, passai pelas portas; preparai o caminho ao povo; aplanai, aplanai a estrada, limpai-a das pedras; arvorai a bandeira aos povos", lembrou a arqueóloga.

Uma escavação em curso é o túnel que leva do Tanque de Siloé ao Monte do Templo. Heymann diz que isso revela o passado e abre uma porta para o futuro.

Um dos projetos mais ambiciosos da cidade de Davi é uma escavação chamada Givati, onde toda a história de Jerusalém está sendo revelada como se as rochas estivessem gritando.

"Você pode ver exatamente como ela (Jerusalém) desapareceu lentamente da civilização, justamente porque uma cidade foi construída sobre a outra, e você podia ver como provavelmente a cidade poderia ter perdido a esperança, pensando: 'quem vai me descobrir de novo?'. Mas isso é até que Deus diga: 'Mas em um momento de favor, nada pode detê-lo' e é isso que vemos em Giviti. Jerusalém está sendo revelada lentamente ", disse ela.

A pesquisadora não tem dúvida de que está vendo as profecias - sobretudo esta de Isaías - se cumprindo.

"Estamos começando a ver na última década, o modelo. Ela está começando a compartilhar novamente como era sua apaerência. Então, você pode ver como o cumprimento da profecia está acelerando enquanto nós avançamos aqui. É dito que [em hebraico] 'Levante-se, sacode sua poeira, tome o seu lugar legítimo, Jerusalém'. Se você vê as escavações aqui diariamente, você pode ver o pó desta terra literalmente voando. A cidade está sacudindo a poeira".

Heymann se considera uma privilegiada em poder trabalhar na "Cidade de Davi".

"Eu digo que sou a pessoa mais feliz do mundo, porque tenho a oportunidade de mostrar o que vemos aqui e contar às pessoas sobre a Cidade de Davi, sobre a antiga Jerusalém e sobre todas as pessoas apaixonadas por Jerusalém, além das diversas provas sobre a profecia bíblica que se cumpre", disse ela.

Fonte: Guia-me

Evangelistas que foram presos por pregar nas ruas vencem causa na Justiça

Dois pastores evangelistas que haviam sido presos e condenados por 'perturbar a ordem pública' com agravantes religiosos, após pregarem nas ruas Bristol, no Reino Unido, ganharam sua causa na Justiça, o que tem sido considerada uma vitória notável e um encorajamento para os cristãos em todo o país.

"Este não é um caso isolado. Quantas vezes teremos de ir ao tribunal antes que a lei [liberdade de expressão] seja respeitada?", disse Michael Overd - um dos evangelistas - após ter sua vitória anunciada na Corte de Bristol, na última quinta-feira (29), segundo informou a BBC News.

Overd, 53, que se apresentou como um "soldado cristão", prometeu que continuará levando a mensagem das Boas Novas, apesar das consequências que já sofreu por isso.

"Meu coração sangra por este país, mas eu sou um patriota e voltarei às ruas para continuar pregando", afirmou ele.

Michael Stockwell, de 51 anos, o segundo pregador - nativo dos EUA - que havia sido preso e condenado no mesmo caso, comentou: "Sinto-me feliz que tudo tenha acabado. Meu coração ainda arde pelo povo de Bristol e anseia que eles possam ouvir o Evangelho sendo pregado nas ruas sem impedimentos".

"Quando fomos condenados por 'perturbar ordem pública' em fevereiro, fiquei chocado porque a mensagem do amor de Deus agora é considerada por alguns como odiosa e perigosa", continuou Stockwell, de acordo com o jornal Premier.

"A liberdade de expressão está sob crescente agressão nesta nação. As pessoas devem ser livres para expressar suas crenças em público, sem risco de danos, violência ou outras repercussões. Por isso, o resultado de hoje significa uma vitória tão grande", acrescentou.

Os pregadores foram condenados e multados em fevereiro depois que foram acusados ​​de disseminar o discurso de ódio contra muçulmanos e homossexuais por terem lido a Bíblia e dizerem que "Jesus é o único caminho para Deus" diante de uma multidão de 100 pessoas no ano passado.

Overd disse na audiência, que ocorreu no início desta semana, que ele não odeia muçulmanos ou homossexuais.

"Se amamos verdadeiramente os muçulmanos, devemos levar a verdade até eles. Jesus disse que qualquer profeta que vem de qualquer outra maneira é um mentiroso e um ladrão. A Bíblia e o Alcorão são fundamentalmente diferentes", declarou Overd, acrescentando que ele não concorda com a homossexualidade, Mas não julga os homossexuais como sendo piores que qualquer outra pessoa.

Os juízes da Corte de Bristol disseram na quinta-feira passada que, apesar dos relatórios das testemunhas de que os pregadores tentaram intencionalmente ofender as pessoas, não havia provas desde que a ofensa tivesse sido agravada religiosamente.

O juiz Martin Picton disse: "Concluímos que o Sr. Stockwell não fazia mais do que expressar com convicção, as suas crenças religiosas sinceras, como ele sempre teve o direito de fazer".

Picton disse que Overd parecia ter satisfação em "trabalhar em meio à multidão", como o jornal 'Bristol Post' relatou, mas admitiu que não poderia provar que ele cometeu uma infração de ordem pública.

Andrea Williams, do Centro Jurídico Cristão, que defendeu os pregadores, elogiou a decisão do Tribunal, afirmando: "Num momento em que os cristãos estão cada vez mais temerosos em expressar suas crenças no espaço público, este é um resultado bem-vindo e necessário. Agradecemos ao juiz tomar a decisão certa hoje".

Fonte: Guia-me

Conduta de cristãos secretos leva oficial da Coreia do Norte que os espionava a se entregar a Jesus

Uma cristã norte-coreana que conseguiu escapar do país contou um testemunho de evangelismo silencioso e impactante, que culminou com a conversão do oficial encarregado por denunciar sua família pelo crime de acreditar em Jesus.

Kim Sang-Hwa cresceu sem saber que seus pais eram cristãos, tamanha a discrição que é exigida dos seguidores de Jesus no país. Certo dia, antes de fugir do regime comunista totalitário implementado pela dinastia ditadora da Coreia do Norte, ela soube de como a vida de seu pai foi usada para levar um funcionário do governo a Jesus.

O oficial do Partido Comunista era encarregado de espionar a família de Kim e denunciar às autoridades tão logo obtivesse provas de sua fé cristã. “Como muitas famílias cristãs, nossa família foi banida na década de 1950 para uma aldeia remota”, relatou à Missão Portas Abertas.

“Eles continuaram a esconder sua fé para não serem descobertos pelos oficiais, mas lembro-me de acordar uma noite, quando eu tinha seis anos. Nossa casa era muito pequena, então todos dormíamos no mesmo quarto. Quando abri meus olhos, vi meu pai e mãe sob o cobertor e eu podia ouvir um ruído suave do rádio. Mais tarde eu soube que eles estavam ouvindo a transmissão de uma estação de rádio cristã”, relembrou.

Certo dia, ao encontrar uma Bíblia escondida no fundo de um armário, Kim ficou aterrorizada e chegou a considerar a hipótese de delatar seus pais às autoridades, tamanha é a doutrinação imposta pelo governo.

“Eu estava com medo até mesmo de tocar a Bíblia, mas não podia simplesmente deixá-la lá. Eu fechei os olhos, peguei o livro e o coloquei de volta. Eu pesava minhas opções. Devo dizer ao meu professor sobre isso? Devo visitar o oficial de segurança local? Por quinze dias eu não pude pensar em mais nada. Éramos ensinados na escola era nosso dever denunciar aquele ‘livro ilegal’. Mas era a minha família que estava envolvida naquilo. Além disso, também passei a me questionar: “Quem é esse Deus?'”, revelou.

A Coreia do Norte é um dos países onde há maior opressão contra o Evangelho, e frequentemente cristãos são condenados a trabalhos forçados no campo, ou sentenciados à morte, pela simples posse de um exemplar da Bíblia Sagrada.

Depois de muito ponderar sobre o assunto, ela tomou coragem e questionou seu pai sobre o “livro proibido”. “Ele ficou muito surpreso e sentou-se ao meu lado e me perguntou: ‘Você vê aquelas árvores antigas? Quem as fez?’. Eu disse que não sabia e ele me explicou toda a história da criação do mundo, incluindo como Deus criou Adão e Eva”, afirmou.

Com o tempo, sua mãe passou a ensiná-la a memorizar os versículos da Bíblia, seu pai explicou o contexto do Evangelho, o plano da Salvação através de Jesus, e seu avô a ensinou a orar: “É só falar com Deus. Nada mais, nada menos que isso”, ele simplificou.

“Para mim, todas essas histórias e ideias eram muito interessantes. Eu também passei a ler a Bíblia sozinha. Mas percebi o quanto isso era perigoso em meu país. Meu pai sempre enfatizava não compartilhar nada com ninguém. Então ele começava a orar em sussurros, de maneira quase inaudível, dizendo: ‘Pai, ajude o povo norte-coreano a buscar o Seu reino em primeiro lugar”, relembrou.

O testemunho

A conversão do oficial, já em seu leito de morte, foi fruto da vida em retidão do pai de Kim. Ele se encontrava, de tempos em tempos, com outros cristãos, em um local secreto, e assim eles cultuavam a Deus, estudavam a Bíblia e oravam juntos.

“Quando um homem estava morrendo, meu pai foi vê-lo em seu leito de morte. Ele confessou para o meu pai: ‘Eu sei tudo sobre você, sua família e sua fé. Eu era um espião e pedi às autoridades para seguir você”, contou Kim.

Surpreso, o pai de Kim ficou intrigado com o fato daquele homem fazer aquela revelação em seu leito de morte e pedir para vê-lo. Então, o oficial afirmou que havia sido impactado com o testemunho de vida dele e queria entregar sua vida a Jesus Cristo. “Você é um bom homem. Nunca te denunciei a ninguém. Diga-me como eu também posso me tornar cristão”, disse o moribundo.

“Em seus últimos momentos de vida, aquele homem se arrependeu de seus pecados e entrou no Reino de Deus. Meu pai conseguiu ajudar a levá-lo até lá”, afirmou Kim, que hoje vive na Coreia do Sul com a família.

Ela pretende um dia ter possibilidade de voltar à Coreia do Norte para compartilhar a mensagem do Evangelho com seus conterrâneos.

“Eu gostaria de poder voltar para a Coreia do Norte e compartilhar o Evangelho com as pessoas lá e ter comunhão com os crentes locais. Eu estaria pronta para morrer pelo Evangelho. Penso que se eu não tivesse uma família aqui na Coreia do Sul, já voltaria e ajudaria as pessoas que precisam”, afirmou, salientando que diariamente repete a oração que viu seu pai fazendo, anos atrás, pela salvação dos compatriotas.

Fonte: Folha Gospel

Aos 92 anos, ex-presidente dos EUA ainda dá aulas na escola dominical de sua igreja

A idade avançada ainda não é o suficiente para fazer com que o ex-presidente Jimmy Carter deixe de desenvolver o ministério que move o seu coração em sua igreja: ensinar sobre a Bíblia na escola dominical.

O jornalista e autor cristão David Schechter relatou em uma publicação para o site 'Charisma News' - no qual contribui como colunista - sobre a alegria de poder assistir uma aula ministrada por Carter.

Segundo Schechter, no domingo em que ele compareceu à igreja para assistir à aula ministrada pelo ex-presidente, centenas de outras pessoas também estavam ali por este mesmo motivo.

"Esperando nos bancos estão muitos dos 130 membros da Igreja Maranatha, juntamente com algumas centenas de visitantes de todo os Estados Unidos e três mulheres jovens chinesas, sentadas à nossa frente", contou o jornalista.

"Poucos minutos depois de 9h50, Jimmy entra, com o rosto suave, sorrindo, e de microfone na mão", acrescentou. "Hoje, diz ele, estaremos revendo 'uma das seções mais difíceis da Bíblia".

Segundo David Schechter, com simplicidade, Carter perguntou se havia pastores ou missionários presentes e três pessoas se colocaram de pé. Então o professor pediu a um deles que fizesse a oração inicial.

O jornalista contou que antes de iniciar a ministração do conteúdo da aula - sobre o livro de Ezequiel, no Antigo Testamento - Carter falou sobre seu estado de saúde, abordando um colapso que sofreu devido a uma desitratação com certo bom humor.

"Eu tive um tratamento excelente no Canadá ... de forma gratuita', diz Carter, provocando risos, 'mas meus médicos de Atlanta me fizeram usar um monitor cardíaco - o que torna o sono incômodo", contou David.

Já se voltando para o conteúdo da aula, Carter lembrou que o profeta Ezequiel surgiu como um "mensageiro de más notícias", enviado por Deus para dizer aos israelitas que são responsáveis ​​por suas tribulações, por sua deslealdade e então o professor alertou a classe sobre o peso da responsabilidade pessoal em suas decisões.

"Carter sugere redefinir o que constitui uma vida bem-sucedida. 'Que tipo de pessoa eu quero ser?'; 'Tomamos decisões sobre o tipo de pessoa que queremos ser e como queremos viver o resto de nossas vidas", contou David citando as palavras do professor.

David contou que o final da aula de Carter se focou em alertar os alunos sobre a única forma de alcançar uma vida "plena, frutífera, feliz e pacífica": se entregar a Jesus e caminhar com Ele.

Segundo o jornalista, assistir à aula de Carter, além do fato de ser ministrado por uma boa reflexão, também serviu como uma agradável surpresa, de ver que um ex-presidente de 92 anos ainda se coloca à disposição do Reino para ensinar sobre a Bíblia em sua igreja.

"Este ex-presidente não-autárquico, de construção de casas, de eleições, de erradicação de doenças também ensina na igreja em vários domingos, diante de centenas de visitantes, que, como nós, partem dali nada menos que impressionados", finalizou.

Fonte: Guia-me


Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses