09262017Ter
Última atualizaçãoQui, 21 Set 2017

slot

Notícias

Mais de 1,7 milhão de evangélicos se reúnem para orar pela África do Sul

Uma grande reunião de oração na África do Sul está marcando a história da região. Mais de 1,7 milhão de cristãos se uniram no último final de semana para interceder pela nação que ainda sofre com a má administração das leis.

Os sites registram o evento como “a maior reunião de oração registrada na África”, com tantos sul-africanos se ajoelhando em Bloemfontein, para orar pelo país. A intercessão contou com cidadãos ​​de todas as raças, cores, culturas e denominações.

"O dia de oração destina-se a todos os sul-africanos, seja homem ou mulher, seja qual for a raça e denominação que estejam preocupados com a malícia, o ódio, a violência, o assassinato e a corrupção no país", diz Angus Buchan, o organizador do evento.

"Estamos cansados ​​das pessoas tomarem a lei em suas próprias mãos. Vamos clamar ao Senhor para trazer justiça, paz e esperança à nossa amada África do Sul", disse Buchan em um comunicado em seu site.

O convite para a grande reunião surgiu quando um vídeo do WhatsApp alcançou muitas vidas com um clamor desesperado de Buchan para que algum líder espiritual na África do Sul pudesse intervir e organizar um evento desse tipo.

Quando Buchan publicou o vídeo nas mídias sociais, ele recebeu 1,8 milhões de respostas em poucas horas. Ele é bem conhecido por seus sermões de televisão e pelo movimento popular, “Faith like Potatoes” (O Fazendeiro de Deus), baseado em seu livro de mesmo título.

Apesar do número oficial de participantes ainda não ter sido publicado, estima-se que pelo menos 1,7 milhões de pessoas fizeram parte da oração e muitas fotos do dia já foram publicadas.

 Fonte: Guia-me


OAB e Igreja criticam reforma da Previdência e pedem auditoria no INSS

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), representante da Igreja Católica, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e o Cofecon (Conselho Federal de Economia) publicaram nesta quarta-feira (19) uma nota conjunta na qual criticam a reforma da Previdência proposta pelo governo e pedem que seja feita uma auditoria nas contas da Previdência Social.

As três entidades defendem que "sem números seguros e sem a compreensão clara da gestão da Previdência, torna-se impossível uma discussão objetiva e honesta" sobre a reforma.

Na nota, as entidades também criticam a falta de discussão do tema e o ritmo apressado com o o qual o governo tenta aprová-lo no Congresso Nacional. "A reforma da Previdência não pode ser aprovada apressadamente, nem pode colocar os interesses do mercado financeiro e as razões de ordem econômica acima das necessidades da população. Os valores ético-sociais e solidários são imprescindíveis na busca de solução para a Previdência", diz o documento.

Prejuízo aos mais pobres

Outro argumento das entidades é que a reforma, da maneira como está, prejudicaria os mais pobres. Segundo a nota, dois terços dos aposentados e pensionistas recebem o benefício no valor de um salário mínimo, enquanto 52% não conseguem completar os 25 anos de contribuição.

"Não é correto, para justificar a proposta, comparar a situação do Brasil com a dos países ricos, pois existem diferenças profundas em termos de expectativa de vida, níveis de formalização do mercado de trabalho, de escolaridade e de salários", afirma o documento.

Além disso, a nota conjunta diz que a reforma da Previdência vai na direção oposta ao crescimento econômico e à geração de empregos, pois "agrava a desigualdade social e provoca forte impacto negativo nas economias dos milhares de pequenos municípios do Brasil".
Governo diz que argumento é mentira

O governo, por sua vez, nega que a reforma da Previdência vá prejudicar a população mais pobre. Na última terça-feira (18), o presidente Michel Temer afirmou que esse é um argumento "mentiroso".

"Convenhamos, ninguém quer fazer mal ao país. Dizem que essa reforma da Previdência vai pegar os pobres. Vou usar uma palavra forte: mentira. Mentira, porque 63% do povo brasileiro ganha salário mínimo, portanto, [a reforma] não vai atingir os pobres. Os que resistem e fazem campanha são os mais poderosos, são aqueles que ganham mais", disse o presidente.

Fonte: UOL e Folha Gospel

Pastor alerta pais sobre filhos envolvidos com bruxaria: "Proteja sua família"

Ashley Mortimer é uma das bruxas mais conhecidas de sua comunidade. Ela disse que seus pais, que são cristãos, não se importaram tanto quando contou para eles sobre sua nova religião, porque consideram a prática de Wicca aceitável. “Pelo menos você tem uma fé”, disse sua mãe na época.

Hoje Ashley é diretora do Centro de Estudos Pagãos, conselheira da Fundação Doreen Valiente e membro proeminente da comunidade pagã local e nacional, incluindo a Nottingham Pagan Network, Pagan Pride e Nottingham Empyrean, além de ser representante da federação pagã, de acordo com seu site.

Mas ela foi criada com pais que sempre fizeram parte da igreja evangélica, na Inglaterra. "Eu sabia que não seria popular, os adolescentes têm uma preocupação com essas coisas", disse ela ao The Independent. "E eu me lembro de ter ouvido de meus pais: 'Nós não queremos ritos pagãos nesta casa!'"

Depois que a irmã de Ashley se revelou ateia, seus pais readaptaram a visão sobre as novas práticas em casa. "Acho que minha mãe ganhou alguma perspectiva quando minha irmã se declarou ateia. Minha mãe havia me dito: ‘Pelo menos você tem fé, mesmo que seja um pouco equivocada’. Ela é muito pragmática em relação à fé”, ressaltou.

Um perigo próximo demais

Sites como o “ThoughtCo” encorajam os pais a não se preocuparem se uma criança começa a experimentar rituais pagãos ou a brincar com bruxarias. “Primeiramente, compreenda que alguns adolescentes vêm ao paganismo porque soa como uma maneira de divertimento, de rebelar-se contra os pais”, diz o site.

Afinal, o que poderia ser mais irritante para os pais do que fazer com que a pequena Susie (boneca) apareça na casa da avó usando um pentagrama gigante e anunciando: “Eu sou uma bruxa, e eu faço feitiços”. Para as crianças que caminham para o paganismo como forma de rebelião, as chances de crescer longe do cristianismo são grandes.

Ex-bruxa

Beth Eckert, que praticou feitiçaria antes de se converter a Jesus, diz que enquanto era membro do Wicca e tinha atitudes pagãs, isso a oferecia uma falsa sensação de segurança. "Quando você pratica a Wicca e o paganismo, você está concentrando sua energia no poder do eu, dando a si mesmo o senso de que você controla as circunstâncias da vida e as pessoas ao seu redor”, comentou.

“Quando isso não funciona, você começa a procurar um poder maior, que é realmente o poder das forças espirituais ocultas", disse a ex-bruxa. "Uma vez que você aproveita o poder das forças espirituais ocultas, você está alinhando sua alma com elas e dando-lhes acesso completo ao seu ser, para fazer o que quiserem”, alertou.

“Wicca e paganismo é a prática de busca de poder e significado na vida para aqueles que estão perdidos e machucados, e é a maneira que o diabo tem de enganar essas pessoas”, ressaltou.

Alerta aos Pais

O pastor William G. Wells, da Convenção Batista do Sul diz que os pais devem ter uma responsabilidade tripla. Por que os adolescentes são atraídos pela Wicca? O pastor acredita que é o “apelo de ter ‘informações privilegiadas’ sobre como o mundo funciona nos bastidores, e obter poder que os outros não têm. Alguns adolescentes se sentem impotentes e sozinhos e procuram ganhar algum tipo de vantagem sobre seus pais”.

Para outros, Wicca é simplesmente uma moda, um segredo divertido compartilhado com amigos próximos. Independentemente da motivação, a Wicca continua a ser eficaz no fato de ter novos membros.

“Você precisa proteger sua família e não deixar que seus filhos se encontrem solitários, pois eles podem ser atraídos para o ocultismo. A Wicca se tornou o refúgio ideal para solitários, usuários de drogas e aqueles que lutam com a homossexualidade ou depressão. Então, se você acredita que seu filho está se envolvendo em bruxaria ou saindo com pessoas assim, procure a ajuda do pastor ou conselheiro da sua igreja”, disse o pastor.

“Os pais cristãos têm um dever triplo no que diz respeito à feitiçaria: compreender a natureza da ameaça, proteger suas famílias da influência da bruxaria e, o mais importante, chegar aos adolescentes para evitar a perda de toda uma geração”, finalizou.

Fonte: Guia-me

Presidente da Guatemala pede ajuda para evangelista após morte de 40 meninas

O evangelista internacional Luis Palau encontrou-se com o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, para oferecer palavras de encorajamento e esperança depois que 40 meninas morreram tragicamente em um lar para jovens em situação de rua e com problemas relacionados a drogas.

"Este é um momento difícil para a nação da Guatemala", disse Palau após sua reunião privada com Morales. "Muitas pessoas estão sofrendo, muitas famílias estão sofrendo, muitas pessoas estão fazendo perguntas profundas e fundamentais".

Palau estava no país realizando um festival evangelístico quando o fogo atingiu uma casa de caridade para crianças em San Jose Pinula, uma aldeia a leste da capital, no dia 8 de março. O cristão disse que ele foi convidado a conhecer Morales e entender como a nação lamentou a perda das crianças.

"Ofereci minha mais profunda simpatia ao povo da Guatemala, especialmente as famílias diretamente afetadas pela tragédia, e lembrei ao presidente que a comunidade evangélica está orando pela nação durante este momento difícil", disse Palau em um post no Facebook.

Boa Nova

Palau, que realizou vários eventos evangelísticos na Guatemala desde o início da década de 1970, diz que foi convidado para "proclamar a Boa Nova de Jesus na capital da Guatemala" pelos pastores locais e realizar um "grande festival" na praça central da capital.

Ele diz que a tragédia na casa apenas ressaltou a importância de sua mensagem. "Que melhor momento para nós levantar o nome de Jesus Cristo e lembrar a nação sobre Sua esperança, sacrifício, amor e paz, mesmo em meio a esta dor e perda", ressaltou.

O incêndio teria começado quando um grupo de moradores, zangado com as condições na casa de caridade, ateou fogo em um colchão, numa tentativa de chamar atenção. Um relatório afirma que muitas das meninas que morreram não puderam escapar porque estavam trancadas.

Mesmo antes do incêndio, houve inúmeras alegações de superlotação e abuso no local, levando um defensor dos direitos humanos a pedir o seu encerramento. Várias das vítimas que sobreviveram ao incêndio estão sendo tratadas nos Estados Unidos.

Fonte: Guia-me

Sacrifício do Cordeiro retorna à Cidade Velha de Jerusalém, após milhares de anos

Uma reconstituição do sacrifício anual do cordeiro pascal para o próximo festival da 'Pessaach' (aniversário do Êxodo dos hebreus, no Antigo Testamento) aconteceu pela primeira vez dentro das muralhas da Cidade Velha de Jerusalém, em milhares de anos, na última quinta-feira (6).

Como nos anos anteriores, rabinos e centenas de outros judeus participaram da cerimônia.

O evento foi organizado por ativistas do Monte do Templo e supervisionado pela polícia e pelo serviço veterinário estadual. Aproximadamente 200 homens, mulheres e crianças participaram do evento, incluindo Yehuda Glick - rabino israelense, conhecido por lutar para garantir o acesso dos judeus ao Monte do Templo.

Os cordeiros foram sacrificado na praça principal do bairro judeu, ao lado da Sinagoga Hurva.

Seguindo os ritos antigos, após a morte dos cordeiros, seu sangue foi aspergido em um altar modelo, erguido temporariamente para o evento. Os animais foram então esfolados, assados e comidos pelos participantes.

Sacerdotes judaicos, usando roupas feitas especialmente de branco, tocaram trombetas de prata e cantaram salmos, enquanto o ritual estava acontecendo. Eles também recitaram a bênção bíblica sacerdotal.

O grupo disse que vai realizar um sacrifício real na segunda-feira, um dia antes do feriado da Páscoa, a fim de cumprir um mandamento religioso. No entanto, é improvável que a polícia lhes permita fazê-lo.

Por mais de uma década, o grupo realizou uma reconstituição do sacrifício de Páscoa, fora da Cidade Velha.

Todos os anos os ativistas pedem permissão para fazê-lo dentro ou perto do Monte do Templo, onde os rituais eram realizados nos tempos bíblicos. Mas em todas as ocasiões eles tiveram seu pedido negado ​​pela polícia e pelos tribunais, que dizem que estas cerimônias poderiam causar agitação se realizadas naquela área, que atualmente é um dos locais de maior conflito entre Israel e Palestina.


Profecias
A volta da realização dos sacrifícios na Cidade Velha após milhares de anos, acontecendo em paralelo com os bombardeios na Síria tem um forte significado bíblico, segundo diversos pastores e outros estudiosos das Escrituras.

Para o pastor, Bruno dos Santos, esta convergência de fatos tem forte relação com profecias bíblicas.

"Por meio do Irã, existe uma aliança hoje entre Rússia e Síria. Essa aliança político militar possui um respaldo nas profecias escatológicas nos dando margem para um alinhamento profético de fatos específicos. A destruição da Síria e de sua cidade mais famosa Damasco sempre esteve revelado nas Escrituras Sagradas conforme o Profeta Isaias anunciou: 'Damasco deixará de ser cidade; e se tornará um monte de ruínas. (Isaias 17:1)", explicou em uma publicação no seu perfil do Facebook.

Pastor Bruno também destacou que os acontecimentos em torno da Síria estão se desenrolando em uma dinâmica global e citou a passagem de Jeremias 49:22-27, que diz: "Vejam! Uma águia, subindo e planando, estende as asas sobre Bozra. Naquele dia, a coragem dos guerreiros de Edom será como a de uma mulher dando à luz. Acerca de Damasco: 'Hamate e Arpade estão atônitas, pois ouviram más notícias. Estão desencorajadas, perturbadas como o mar agitado. Damasco tornou-se frágil, ela se virou para fugir, e o pânico tomou conta dela; angústia e dor dela se apoderaram, dor como a de uma mulher em trabalho de parto. Como está abandonada a cidade famosa, a cidade da alegria! Por isso, os seus jovens cairão nas ruas e todos os seus guerreiros se calarão naquele dia', declara o Senhor dos exércitos. 'Porei fogo nas muralhas de Damasco, que consumirá as fortalezas de Ben-Hadade".

"Este versículo contempla muitas coisas: A 'Águia' é o simbolo do orgulho americano. 'Bosra' é uma cidade ao Sul da Síria. 'Hamate e Arpade' cidades sírias onde ocorreram os ataques desta semana. 'Damasco... em dores de parto...' Uma alusão à algo que está nascendo: Seria a Terceira Guerra Mundial? O termo: 'Os seus jovens cairão nas ruas...' O ataque de gás sarin que matou crianças e a ênfase do presidente americano sobre os pequenos asfixiados caindo nas ruas. E a expressão: 'Porei Fogo nas muralhas...' é uma clara alusão ao ataque de mísseis de destruição à Siria", interpretou o pastor.

Estabelecendo uma relação entre o retorno do sacrifício à Cidade Velha de Israel e os acontecimentos na Síria, Bruno dos Santos explicou que a Terra Santa é um tipo de "relógio profético".

"Enfim podemos concluir que estamos próximos da guerra de Gog e Magogue? Podemos entender que alinhamentos proféticos estão se desenrolando? Sim, porém não basta apenas olhar para o mundo. O nosso relógio profético é Israel e vejam o que vai acontecer lá na páscoa de 2017. Aliás sempre perto das páscoas do últimos anos, coisas proféticas sem precedentes estão acontecendo", finalizou.

Fonte; Guia-me


Bingo sites http://gbetting.co.uk/bingo with sign up bonuses